Os Kães Vadius


Kães Vadius25 anos de psychobilly no Brasil

Em 1976, Johnny Cash cantou a música “One Piece at a Time” sobre seu “psychobilly cadillac”. A palavra que acabava de ser inventada ecoou e encontrou um significado bastante peculiar do outro lado do Atlântico. Na ilha da rainha, alguns jovens já manifestavam pelas ruas uma mistura que consistia na fúria do recém-nascido punk, a rebeldia do rockabilly e uma estranha fixação por filmes de terror trash. Elvis Presley + Frankenstein + New York Dolls. Johnny Cash + Bela Lugosi + Ramones. As equações são várias, mas o estilo estava definido. O sarcasmo das letras mescladas às notas do baixo acústico, poderiam ser ouvidas em várias partes do mundo e não foi diferente por aqui no nosso continente.

Kães VadiusFoi então que em 1985, quatro rapazes do ABC paulista fincaram a bandeira no topo de toda a América Latina e se auto-proclamaram a primeira banda de psychobilly do continente. Aqui, tudo tomou forma própria e identidade única, quando foram adicionados as características dos adolescentes da zona operária mais famosa do país a todos os elementos já citados. O matar tempo no fliperama, as curtições e brigas de bar, o humor negro sobre as questões do dia a dia, as “bad trips” lisérgicas, tudo isso representava nosso sexo,drogas e rock’n’ roll, ambientados em um filme B de terror quando os zumbis apareciam. Os garotos que iam aos shows agora eram os garotos que tocavam nos shows – já ouviu isso antes? –  e adotam o nome de Kães Vadius.

Mas isso é história do rock e história do rock é o que, mais uma vez, o Cidadão do Mundo Arte e Cultura está prestes a fazer parte. Dando o pontapé inicial nas comemorações dos 25 anos do KV.

Discografia

  • Kães VadiusPsychodemia (1987, com participação de KIid Vinil).
  • Delirium Tremens (1988, produzido por André Cristvam).
  • Aqui Agora (1993).
  • Festa do Horror (1994).
  • Dois em Um (1997, reedição dos dois primeiros discos em CD).
  • Saindo do Kovil (2002).
  • Ao Vivo em Casa – Efeitos e defeitos colaterais (DVD – 2006).
  • + ou – Ao Vivo (2006, dois discos ao vivo com diversas formações).

Compilações

  • Devil Party (a primeira coletânea psychobilly brasileira, 1989).
  • Psychorrendo (1995).
  • Urbanoise (1996).
  • Rock Duka (2000).
  • O Monstro (2000).
  • Revell Without a Cause (Japão, 2001).
  • 20 anos de podridão – Tributo Garotos Podres (2003).
  • Dance With a Chainsaw (2003).
  • ABC do Som (2009).
  • Total Live Vol. 1 (2009).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: