“Não adianta fazer música pesada e rádio não tocar”


Chorão, do Charlie Brown Jr.

Chorão, do Charlie Brown Jr., sempre em busca do sucesso

São 18 anos de carreira, dez álbuns de estúdio e uma trajetória respeitada no circuito do rock brasileiro. Em 2009, o Charlie Brown Jr. retornou para as paradas com um novo álbum e boa recepção de seus fãs, assinando com a Sony e ganhando a adição do baterista Bruno Graveto.

A sonoridade pesada com influências do punk e trejeitos emprestados do Hip Hop chega ao décimo álbum, “Camisa 10 (Joga Bola Até na Chuva)”, com a cara do filão comandado pelo produtor Rick Bonadio.

A pegada hardcore continua lá, é fato, mas o som está mais limpo do que nunca, com todos os instrumentos facilmente reconhecíveis e melodias simples com refrões marcantes. A escolha por uma sonoridade menos agressiva é consciente e, segundo o vocalista Chorão, é imperioso que uma banda saiba equilibrar apelo comercial e sonoridade autêntica.

Charlie Brown Jr“Somos uma banda de pop-rock. Não adianta fazer música pesada e a rádio não tocar. E também é complicado quando esse discursinho sobre rock pesado e tal vem de alguém que chega, faz um sertanejocore e daí reclama depois que o rock é ruim ou coisa parecida”, afirmou Chorão. “Colocar guitarra distorcida em uma rádio pop é mesmo tarefa difícil”, concordou o guitarrista Thiago Castanho.

Para Chorão, o segredo por trás do pop-rock do grupo é simples: menos é mais. “Música que dá trabalho para fazer não fica boa. As que fazem sucesso são sempre aquelas que aparecem sem muito planejamento, simples e espontâneas”, opinou o vocalista.

Se o pop e o rock nas rádios têm dias contados, ninguém sabe. Mas é fato que as bandas que tradicionalmente dominavam as paradas com refrões de amor e interlúdios de guitarras enfrentam um novo concorrente: o sertanejo universitário, que reuniu a temática da dor de cotovelo e a levada pop feita para grandes arenas e agora arrasta multidões para cantar junto, balançar os braços e abraçar quem estiver por perto.

“Ninguém tira o espaço de ninguém. Se as rádios não estão oferecendo muitas músicas de rock é porque temos menos bandas fazendo isso. Cada um tem a sua função e a sua sonoridade, não é uma competição. Além disso, volta a questão do som pesado, porque um riff pesadão de guitarra não vai mesmo tocar em uma rádio pop”, explicou Thiago Castanho.

Fonte: Stefanie Gaspar, do portal Virgula.

Anúncios

Uma resposta to ““Não adianta fazer música pesada e rádio não tocar””

  1. legal o designi so falta + conteudo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: