Eu Sou Ozzy


Eu Sou Ozzy

A história de vida de uma pessoa famosa e bem sucedida financeiramente é algo que interessa a muitas pessoas. Mas quando esse famoso é um dos mais importantes nomes da história do Rock, esse interesse é multiplicado pela admiração – às vezes quase doentia – que os fãs têm.

John Michael Osbourne, o inglês nascido em uma pobre cidade industrial, se tornou um dos mais adorados artistas do mundo da música: Ozzy Osbourne. Em “Eu Sou Ozzy” (Editora Benvirá) o vocalista conta momentos marcantes de sua história pessoal e profissional em uma viagem com altos e baixos que se refletem também nas páginas do livro.

“Eu Sou Ozzy” é dividido em duas partes. Na primeira parte Ozzy conta sobre sua infância difícil. Família numerosa, falta de dinheiro, nenhuma diversão. Sua dislexia e déficit de atenção impediram que o jovem Ozzy fosse destaque na escola. Pelo menos destaque positivo. O histórico familiar de problemas psiquiátricos dá uma dica sobre o que o futuro reservava ao garoto Osbourne.

Desde criança Ozzy encontrou um modo de superar suas limitações: fazer palhaçada. Se não fosse um cantor famoso, provavelmente Ozzy se daria bem como comediante. E em todo o livro há passagens engraçadas, mesmo quando o assunto é sério e preocupante. Sempre há um comentário que tira o peso da situação e faz o leitor esboçar um sorriso.

I Am OzzyUm dos momentos marcantes do livro é quando Ozzy conta sobre sua experiência em uma prisão, antes dos 18 anos, onde passou alguns meses e conviveu com todo tipo de criminoso perigoso. As descrições sobre seu emprego em um matador também são impagáveis.

Mas são os acontecimentos seguintes que realmente chamam a atenção do leitor que estiver interessado no “vocalista Ozzy Osbourne”. Seu encontro com Geezer Butler, Bill Ward e Tony Iommi.

Ozzy descreve seus primeiros contatos com os companheiros de Black Sabbath, os primeiros passos do quarteto como uma banda, o fim prematuro que quase aconteceu com a saída temporária de Tony Iommi para tocar no Jethro Tull. As páginas dedicadas ao Sabbath são – sem dúvida – as mais interessantes do livro.

São momentos de efervescência criativa, de deslumbramento com o sucesso que se abria aos quatro integrantes. Ozzy também ajuda a desenhar um pouco da personalidade de cada um dos membros da banda. Mas é bom sempre ter em mente que essa é apenas uma visão possível de todo o quadro.

O peso negativo das drogas e do álcool é marcante na carreira do Sabbath, principalmente depois do álbum “Vol. 4”, o que levou lentamente ao fim do grupo.

A segunda parte do livro começa com Ozzy no fundo do poço, sem banda, com problemas com a esposa Thelma e cada vez mais afundado no álcool. É aí que Sharon Aden começa a ganhar importância na vida do vocalista. É interessante saber os detalhes do início da carreira solo de Ozzy, época em que ele parece ter renascido. Em partes.

Um dos momentos emocionantes é quando Ozzy conta as circunstâncias que causaram a morte do guitarrista Randy Rhoads em um acidente aéreo. É perceptível que Ozzy carrega um sentimento de culpa pelo ocorrido, principalmente porque Rhoads já tinha mostrado interesse em parar de excursionar e se dedicar ao estudo da música.

Ozzy OsbourneMas passado esse episódio triste, esta segunda parte do livro traz pouco de realmente interessante. É uma alternância de bebedeiras, cocaína, maconha, remédios de todos os tipos, bebedeiras, sexo, bebedeiras e muitas brigas com Sharon Osbourne, a empresária que se tornou sua esposa.

Em diversos momentos Ozzy afirma sobre a importância de Sharon em sua vida, tanto pessoal quanto profissional. O ruim é que pouco se fala do aspecto musical e artístico de Ozzy Osbourne nessa parte do livro. E as infindáveis declarações de amor cansam um pouco.

Mas, é claro, também há música. Ozzy comenta sobre a reunião do Sabbath em 1985, no Live Aid. Ainda que não seja explícito, dá para perceber como o cantor quis passar um recado aos ex-companheiros. Algo como “hoje eu sou um astro, e vocês?”.

O suicídio de John McCollum, a confusão com o teste de HIV, os processos de Bob Daisley e Lee Kerslake. Ozzy fala de tudo, mas nem sempre com profundidade. Três episódios marcantes das loucuras do cantor são descritas em detalhes: a decaptação de uma pomba com os dentes em uma reunião da CBS; a mordida no morcego e a mijada no Álamo, no Texas. É engraçado, de tão bizarro.

O resultado de 40 anos tomando todo tipo de droga possível – menos heroína, que Ozzy nunca gostou – se reflete na saúde debilitada, nas tremedeiras, na gagueira.

“Eu Sou Ozzy” é bem interessante por repassar oficialmente a história desse importante personagem. Mas sempre é bom lembrar que trata-se de uma autobiografia, ainda que escrita com a ajuda do jornalista Chris Ayres. E autobiografias geralmente correm o risco de trazerem uma imagem embelezada do biografado ou deixarem de fora algumas verdades duras e cruéis.

Apesar das excessivas declarações de amor a Sharon, “Eu Sou Ozzy” é um bom documento para quem quer entender mais sobre o astro da TV, o vocalista louco e o ser humano Ozzy Osbourne.

Fonte: Eduardo Guimarães, da redação TDM.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: