Morre, aos 87 anos, o escritor português José Saramago


Jose Saramago

Autor de ‘Ensaio sobre a cegueira’ era vencedor do Prêmio Nobel. Nota em seu site fala ‘múltipla falha orgânica após prolongada doença’.

O escritor português José Saramago morreu aos 87 anos em sua casa em Lanzarote, nas Ilhas Canárias, nesta sexta-feira (18). A informação foi divulgada pela família do escritor de “Ensaio sobre a cegueira” e confirmada em seu site oficial.

“Hoje, sexta-feira, 18 de junho, José Saramago faleceu às 12h30 horas [horário local] na sua residência de Lanzarote, aos 87 anos de idade, em consequência de uma múltipla falha orgânica, após uma prolongada doença. O escritor morreu estando acompanhado pela sua família, despedindo-se de uma forma serena e tranqüila”, diz uma nota assinada pela Fundação José Saramago e publicada na página do escritor na internet.

O autor de “O evangelho segundo Jesus Cristo” e “Ensaio sobre a cegueira” vivia em Lanzarote desde 1993 com sua esposa, a jornalista Pilar del Río. Nos últimos anos foi hospitalizado em várias oportunidades, principalmente devido a problemas respiratórios.

Expoente da literatura mundial

O escritor português era um dos maiores nomes da literatura contemporânea e vencedor de um prêmio Nobel de Literatura no ano de 1998 e de um prêmio Camões – a mais importante condecoração da língua portuguesa.

Entre seus livros mais conhecidos estão “Memorial do convento”, “O ano da morte de Ricardo Reis’, “O Evangelho segundo Jesus Cristo”, “A jangada de pedra” e “A viagem do elefante”. O mais recente romance publicado pelo escritor foi “Caim”, de 2009. Seu estilo de escrita era caracterizado pelos parágrafos muito longos e escassez de pontuações.

“Ensaio sobre a cegueira”, que conta a história de uma epidemia branca que cega as pessoas, metáfora da cegueira social, foi levado às telas em um produção hollywoodiana filmada pelo cineasta brasileiro Fernando Meirelles (de “Cidade de Deus”) em 2008. O autor, normalmente avesso a adaptações de suas obras, aprovou o trabalho de Meirelles.

Saramago era considerado como o criador de um dos universos literários mais pessoais e sólidos do século XX e uniu a atividade de escritor com a de homem crítico da sociedade, denunciando injustiças e se pronunciando sobre conflitos políticos de sua época. Em 1997, escreveu a introdução para o livro de fotos “Terra”, em que o fotógrafo Sebastião Salgado retratava a rotina do movimento dos sem-terra no Brasil.

No mesmo ano, uma exposição sobre o trabalho de Saramago foi exibida no Brasil. “José Saramago: a consistência dos sonhos” trazia cerca de 500 documentos originais e outros tantos digitalizados, reunidos em um formato que, misturando o tradicional e a tecnologia moderna, levavam o visitante a uma agradável e rara viagem pela vida e pela obra do escritor português.

Biografia

Prêmio Nobel de Literatura de 1998, o português José Saramago nasceu em 16 de novembro de 1922, na pequena aldeia portuguesa de Azinhaga, no Ribatejo, região central do país. José de Sousa era conhecido pelo apelido de sua família paterna, Saramago, que o funcionário do Registro Civil acrescentou após seu nascimento.

Sua família mudou-se para Lisboa quando José tinha dois anos. Aluno brilhante, ele teve de abandonar o ensino secundário aos 12 anos, por causa da falta de recursos de seus pais.

Ateu, cético e pessimista, Saramago sempre teve atuação política marcante e levantava a voz contra as injustiças, a religião constituída e os grandes poderes econômicos, que ele via como grandes doenças de seu tempo.

“Estamos afundados na merda do mundo e não se pode ser otimista. O otimista, ou é estúpido, ou insensível ou milionário”, disse em dezembro de 2008, durante apresentação em Madri de “As Pequenas Memórias”, obra em que recorda sua infância entre os 5 e 14 anos.

Autodescrito como um “comunista libertário”, ele também provocou polêmica ao chamar a Bíblia de “manual de maus costumes”. Ao longo de seis décadas de carreira literária, publicou cerca de 30 obras, entre romances, poesia, ensaios, memórias e teatro.

Saramago publicou seu primeiro romance, “Terra do pecado”, em 1947. Em 1969, sob a ditadura salazarista, ele filiou-se ao Partido Comunista português. Depois de 47, ele ficou quase 20 anos sem publicar, argumentando que “não tinha nada a dizer”. Na época, teve empregos públicos e trabalhou como editor e jornalista.

Entre 1966 e 1975, publicou poesia: “Os Poemas Possíveis”, “Provavelmente alegria” e “O ano de 1993”. Em 1977, publicou o romance “Manual de pintura e caligrafia”. Depois, vieram os contos de “Objeto quase” (1978) e a peça “A noite” (1979).

Mas o reconhecimento mundial só chegou com “Memorial do convento”, de 1982, a que se seguiu “O ano da morte de Ricardo Reis”, dois anos depois. Os dois romances receberam o prêmio do PEN Clube Português.

Nobel e Camões ao desafeto da Igreja

Seu romance “O Evangelho segundo Jesus Cristo”, de 1991, provocou polêmica com a Igreja Católica e foi proibido em Portugal em 1992. O romance mostrava um Jesus humano, com dúvidas, fraquezas e conversando com um Deus cruel. Em um dos episódios, Jesus perdia sua virgindade com Maria Madalena.

Um ano depois disso, ele decidiu se mudar para a ilha de Lanzarote, no arquipélago espanhol das Canárias, onde ficou até morrer, sempre acompanhado pela sua segunda mulher, a jornalista e tradutora espanhola Pilar del Río.

Em 1995, ganhou o Prêmio Camões pelo conjunto da obra e publicou “Ensaio sobre a cegueira”, que ganharia versão cinematográfica, dirigida pelo brasileiro Fernando Meirelles, em 2008.

Em 1998, ele ganhou o Nobel de Literatura. Na justificativa da premiação, a academia afirmou que o português criou uma obra em que, “mediante parábolas sustentadas com imaginação, compaixão e ironia, nos permite captar uma realidade fugitiva”.

Seu último romance foi “Caim”, de 2009, também bastante criticado pela Igreja Católica por conta de sua visão pouco ortodoxa do Velho Testamento.

Fonte: Portal G1.

Anúncios

Uma resposta to “Morre, aos 87 anos, o escritor português José Saramago”

  1. thiago luis de souza Says:

    Ao perder um ícone da literatura mundial, nos resta apenas vestígios de lástimas a demonstrarmos, pois cada mente criativa e produtiva de nosso mundo quando se vai, merece seu espaço no intelecto de cada ser, assim como gera outros ícones, pois sua caminhada não deve ser em vão, deve ser consumada e aproveitada, como um rosa que morre e da lugar a outras milhares no campo. Assim perdemos hoje alguém que nos fascinava, amanhã seguiremos seu exemplo e fascinaremos outros!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: