B.B. King inicia turnê atrás de espaço para o blues


BB King

O rei do blues quer espaço. Não para si, mas para o gênero. B.B. King tocou nesta terça-feira (16/03) no Rio dizendo se sentir um discípulo com a missão de propagar uma música que, segundo ele, não tem mais espaço no mainstream. Porém, ele não se permitiu criticar ou reclamar dos sucessos do mundo pop na coletiva concedida em um hotel em São Conrado. “Admiro todos”, resumiu. A primeira apresentação do guitarrista de 84 anos nesta passagem pelo Brasil estará lotada. Não há mais ingressos à venda.

Muito solícito, como de costume, ele chegou de boina e cadeira de rodas ao saguão. Mas disposição não lhe falta. Enquanto tentavam fazê-lo descansar, encerrar o bate-papo, queria mais. Conversar é um dos maiores prazeres de B.B. King, bem como comer. Isso sem falar, é claro, das mulheres, “o maior presente de Deus a este planeta” e tema recorrente em quase todas as suas respostas. Não quis, contudo, dar pistas sobre o setlist. Saiu-se com essa, respondendo a uma repórter: “Você conta para as suas amigas como se vestirá para uma festa? Posso dizer que farei o meu melhor”.

“Adoro o meu trabalho. É claro que fico cansado de vez em quando, como qualquer um que tente ganhar dinheiro legalmente fica. Mas amo comer e trabalhar. Eu não completei os estudos, mas conheci mais de noventa países, culturas. Basta eu ver pessoas sorrindo como vocês que trabalharei pelo resto da vida”, afirmou o guitarrista, acrescentando que já tem material para gravar um novo disco, porém sem precisar quando isso se concretizará:

“Planejo gravar, mas não encontrei algo que se encaixe com o que quero agora. Há muitos tipos de pessoa, mas a música é a mesma. Virá sempre daquelas notas, daqueles tons. Então não há boa música e música ruim. É tudo questão de como você coloca tudo isso junto”.

Questionado sobre ser um músico que influenciou diversas gerações e grandes guitarristas como o citado Jimi Hendrix e outros, o “professor” deu aula de humildade. “Eles nunca me disseram isso, só ouvi de vocês, jornalistas. Mas tenho orgulho de todos eles. Acredito em Deus. Ele faz o que quer, quando quer. Espero que os tenha influenciado. Estou por aí há 84 anos, então vi  quando começaram e quando terminaram. Mas muitas coisas do que faziam, eu não faço. Eu não bebo, eu não fumo. E imploro a eles (músicos) que não o façam, porque viverão muito mais. Só fico triste porque o Hendrix e outros não estão mais aqui”.

Ao comentar sobre o esquecimento do blues, tristeza. B.B. King  se mostrou bastante incomodado com a falta de espaço para o gênero. “Fico triste, você não ficaria? As pessoas falam do B.B. King, mas não me ouvem. As rádios não tocam blues. Tenho um programa de rádio, mas no geral, não tocam. Você acaba sentindo como se as pessoas não gostassem mais de você. Mas quem sou eu para dizer o que elas devem ou não devem gostar?”.

Ele fez questão de deixar claro que não se referiu, acima, ao seu público. “Estou falando das rádios, dos publicitários. Mas não presto atenção. Posso ser um professor, estou velho, mas sou um professor que ama tocar. Eu poderia tocar todas as noites, como fazia antigamente, e teria gente lá, mas não tocam a música nas rádios, enquanto a maioria dos astros de rock aparece diariamente”. A afirmação foi rebatida com a alegação de que ele fora eleito pela revista Rolling Stone como o terceiro maior guitarrista de todos os tempos. Venceu o bom humor. “Acho que eles dormiram, não sabiam o que estavam escrevendo”, brincou.

A recordação mais especial que guarda do Brasil foi do show feito no Ibirapuera, em Sâo Paulo (1995), para cerca de 100 mil pessoas. “Foi um festival e me trataram como se fosse uma entidade sagrada. Gostei muito”, disse, abrindo o sorriso. “Se eu tivesse nascido no Brasil seria rico como vocês. Queria ter mais tempo para sentar e conversar. Já estão me fazendo sinais aqui para calar a boca. Espero que o show (desta terça) esteja lotado e que as pessoas gostem do que vou tocar. Gostaria de conversar com todos na plateia, apertar as mãos deles. Adoro ouvir o que as pessoas pensam. Mas se sou bom guitarrista, boa pessoa, cabe a vocês avaliar”.

Antes de atender a todos os pedidos de fotos e autógrafos com uma simpatia ímpar, B.B. King falou ainda sobre a sua influência sobre músicos brancos, que passaram a conhecer o blues pelos seus solos com a inseparável Lucille. “Isso foi importante, porque eles não sabiam sobre o blues. Poucos ouviam, poucos tocavam. Penso em mim como um discípulo que carrega a música pelo mundo. Não digo: ‘Goste!’. Decidam vocês se gostam ou não”, concluiu a lenda viva do blues, que fará mais quatro shows pelo Brasil (três em São Paulo e um em Brasília). A motivação para, aos 84 anos, fazer tantos shows, é simples: “Quero ser melhor. Você não está morto até morrer”.

B.B. King no Brasil: ícone do Blues toca no país em março

O cantor e guitarrista B.B. King, de 84 anos, considerado por muitos o rei do Blues, volta ao Brasil em 2010 e se apresenta em três cidades, a partir de março.

Apesar do músico já ter anunciado o fim de suas turnês internacionais, ele confirmou quatro shows no país para este primeiro semestre. Como já era esperado, São Paulo está entre seus destinos, junto ao Rio de Janeiro e Brasília.

Na capital carioca, a apresentação aconteceu no dia 16, no Vivo Rio, depois ele segue para São Paulo, onde se apresenta nos dias 19 e 20, no Via Funchal, e encerra sua passagem pelo país no dia 22, quando se apresenta na capital federal.

Os cariocas desembolsaram uma quantia entre R$ 120 e R$ 500 para ver o artista. Já os ingressos para os paulistas custam entre R$ 220 e R$ 600. As informações sobre horários e valores dos ingressos para o show em Brasília ainda não foram divulgadas. Mas já se sabe que a apresentação acontecerá no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

B.B. King, que já lançou mais de 35 álbuns em 60 anos de carreira, traz ao país sua turnê One More Time, excursão que também passará por Santiago, no Chile, e Buenos Aires, na Argentina.

Sua última visita ao Brasil aconteceu em 2006, quando o bluesman trouxe a turnê The Farewell Tour, que seria a sua despedida dos palcos. Antes, ele já havia passado por aqui em 93, 98 e 2004. Entre suas canções mais famosas, estão os sucessos ‘Rock me Baby’, ‘Three O´Clock Blues’, ‘Please Love Me’ e ‘Bad Luck’, faixas que certamente não ficarão de fora do repertório de suas apresentações.

Abaixo as informações confirmadas sobre a turnê:

  • 16/03/2010 – Rio de Janeiro/RJ
  • 19/03/2010 – São Paulo/SP
  • 22/03/2010 – Brasília/DF

Fonte: Vicente Seda, do iG Rio de Janeiro – http://musica.ig.com.br/entrevistas/2010/03/16/bb+king+inicia+turne+atras+de+espaco+para+o+blues+9428334.html.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: